Festival de Besteiras Ateístas

Uma crítica à desonestidade de certas pessoas.

De volta à ativa… e mais besteiras pela frente.

Bom, como todo o meu grande público (3 pessoas) percebeu, eu fiquei inativo por muito tempo devido a minha extrema falta de interesse pela vida alheia, principalmente pelas idiotices proferidas diariamente pelos neo-ateus. No entanto eu me motivei a continuar este blog, e voltarei à ativa, pois conteúdo para ele é o que não falta.

Mas deixando tudo isso de lado, vamos nos divertir um pouquinho com a nova remessa de besteiras que temos pela frente, afinal, elas nunca param de chegar:

Há algum tempo isso virou moda: neo-ateus, seres que já possuem um certo grau de deficiência intelectual, reunem-se todos para imbecilizar-se ainda mais, reforçando sua gama de argumentos pífios anti-religião e seus sentimentos de ódio ao cristianismo. São as famosas àreas de depoimentos e testemunhas presentes nos sites ateus. Não vou comentar nada sobre os depoimentos, apenas leiam e chorem de rir:

Olá ATEA – Meu nome é Sabriny ( sem problemas nenhum em cita-lo ) tenho 19 anos, e primeiramente venho através deste parabeniza-los pelo trabalho todo posto nesta página -.
Vejo muitos depoimentos de ATEUS e ATEIAS na página de vocês e então talvez tenha resolvido criar coragem e vir contar-lhes a “complicação” que isso é na minha vida. – Meu pai, desde que se entende por gente é ATEU,- criou todos os filhos da mesma maneira, nunca nos levou a igreja, nunca nos deixou cair em qualquer coisa que envolvesse religião. Por parte do meu pai, somos cinco irmãos.- Desde de que meus três irmãos eram pequenos, vivam dos “ensinamentos” do meu pai, por medo talvez de contrariá-lo. Mas não demorou muito para que meu pai se afastasse dos filhos para que eles logo caíssem na fábula de que as coisas acontecem porque simplesmente é a vontade de Deus.
Houveram momentos na vida em que cheguei a me questionar sobre a existência desse Deus que todo mundo crê. – Namorei com um menino que a família dele é mais do que fanática a respeito dessa alienação toda. Eles tentaram fazer com que eu mudasse meus pensamentos,.- eu por um tempo, até fingia que gostava e acreditava em todas aquelas experiências que eles falavam pra mim, pois eu os amo tanto que jamais pensei em magoá-los.-
E as pessoas ao meu redor se sentem assim – magoadas por não entender que hoje, ontem, eu resolvi escutar meu pai-, não por medo ou por obrigação, mas por ter certeza de que a pessoa mais certa da minha vida foi ele – MEU pai de verdade. Quantas e quantas pessoas eu ja não perdi, ou tive medo de perder pelo simples fato de, ser o que eu sou… elas não entendem, e sei que nunca vão entender. As vezes penso que ainda sou melhor sendo do jeito que sou do que tentando agradar as pessoas do jeito que ELAS querem que eu seja. – e em um determinado ponto da minha vida, eu conheci A pessoa que lembra muito o jeito do meu pai ser – ele é ATEU, agente chega até brincar com todas essas coisas estúpidas que somos obrigados a ouvir – e, pela primeira vez na minha vida, em 19 anos eu achei A pessoa que gosta de mim mais ainda por eu poder entender ele, e por ele poder entender a mim. As vezes agente se sente uma formiguinha no meio disso tudo, mas toda vez que eu falo com ele ( e agora principalmente vejo as postagens de vocês ) penso que um dia poderemos ser maiores do que toda essa farsa que insiste em crescer e poluir a mente dessas pessoas tão ingenuas. – Desculpe pelo grande depoimento, mas há meses queria falar isso a vocês – mais uma vez, parabéns pela ótima página, e obrigada por de um jeito ou de outro não deixar que eu pense que somos poucos nesse mundo com um pouco de sanidade.

Depoimento de João Paulo da Silva

Olá, eu quero dizer que gosto muito da página e me identifico muito com alguns relatos e sempre mostro pra minha mãe que foi uma das pessoas que mais me maltratou quando informei sobre o fato de eu ser ateu e a decisão de largar a igreja na qual tinha um cargo muito bom.

Gostaria de relatar algo ( não sei se será postado ou não) que sofri a dois anos quando ainda estava no 2° colegial da escola.

Eu estudei em escola publica quase a vida inteira, e sempre gostei de participar das atividades de liderança em prol de melhorias para a escola e alunos. então como os conquistei a confiança dos meu colegas, logo virei presidente do grêmio estudantil e conselho de classe. a minha diretora me apoiava em tudo. até que questionei uma parte da verba que estava sendo utilizada erroneamente,a verba era pra reforma do laboratório que não estava sendo usado pelos alunos, e estava sendo utilizada pra comprar lanches e camisetas pro grupo de caminhada pra jesus nos finais de semana, algumas pessoas da comunidade e da escola se encontravam na escola e faziam uma caminhada em homenagem a cristo. desde esse momento fui banido do gremio e comecei a ser excluido das atividades de recreação como excursões e palestras. até o fim dos meus estudos. contei aos meus pais, mas como são muito religiosos, concordaram com a diretora e eu fiquei com fama de garoto problema na escola,sem nunca ter ido a diretoria com algum problema.

Depoimento de João Paulo da Silva

Olá, eu quero dizer que gosto muito da página e me identifico muito com alguns relatos e sempre mostro pra minha mãe que foi uma das pessoas que mais me maltratou quando informei sobre o fato de eu ser ateu e a decisão de largar a igreja na qual tinha um cargo muito bom.

Gostaria de relatar algo ( não sei se será postado ou não) que sofri a dois anos quando ainda estava no 2° colegial da escola.

Eu estudei em escola publica quase a vida inteira, e sempre gostei de participar das atividades de liderança em prol de melhorias para a escola e alunos. então como os conquistei a confiança dos meu colegas, logo virei presidente do grêmio estudantil e conselho de classe. a minha diretora me apoiava em tudo. até que questionei uma parte da verba que estava sendo utilizada erroneamente,a verba era pra reforma do laboratório que não estava sendo usado pelos alunos, e estava sendo utilizada pra comprar lanches e camisetas pro grupo de caminhada pra jesus nos finais de semana, algumas pessoas da comunidade e da escola se encontravam na escola e faziam uma caminhada em homenagem a cristo. desde esse momento fui banido do gremio e comecei a ser excluido das atividades de recreação como excursões e palestras. até o fim dos meus estudos. contei aos meus pais, mas como são muito religiosos, concordaram com a diretora e eu fiquei com fama de garoto problema na escola,sem nunca ter ido a diretoria com algum problema.

Fonte: https://www.facebook.com/ATEA.ORG.BR/posts/453467868017134

Depoimento de M. L.

“Olá, quero contar minha história.

Ano passado eu estava com uma doença muito séria nos olhos, ela me causava uma dor insuportável e comecei a perder a visão.
Por minha família ser muito religiosa fizeram promessas pra min nada funcionava, meu tio é evangélico e pedia pra eu acompanha lo à igreja dele lá rezavam pra mim, até falavam na linguá dos anjos. Mas nada disso adiantava meu caso só piorava, já tinha ido a um médico mas continuou do mesmo jeito. Certo dia fui no médico especializado e me internaram e começaram a fazer um tratamento . Minha dor desapareceu minha visão estava normal, assim como minha vida.

Então a pouco tempo comecei a pensar se eu estivesse esperando por ‘Deus’ estaria cego.

Fonte: https://www.facebook.com/ATEA.ORG.BR/posts/453460004684587

Depoimento de Y.N.
Olá pessoal da ATEA, primeiramente gostaria de parabenizar a página no facebook, sempre com notícias, humor e etc.
(Gostaria que escondessem meu nome)
Irei falar sobre algo que aconteceu comigo no colégio. Estudo em um colégio católico bem tradicional aqui na Bahia, por isso sempre ocorrem missas e palestras.
Nós alunos sempre perdemos aula por causa dessas coisas, e um dia tiraram a gente da sala para assistir um vídeo sobre boa conduta.
Logo quando começou o vídeo não achei nada estranho, “não estou aqui para falar sobre religião” até aí tudo bem, mas logo no desenrolar do vídeo ele falou a famosa frase entre os cristãos “Não dá para ser um bom cidadão se não tiver Deus no coração.” Eu me senti ofendida claro, já que sou ateísta. Levantei a mão e falei que religião não define caráter, que eu não acreditava em deus, mas que nunca faria nenhum mal à sociedade. Mencionei também ateus famosos que fizeram o bem para concretizar a minha fala, depois disso ninguém falou nada, e até o coordenador quis “reparar” o que o cara do vídeo falou.
Quando eu pensei que já estava tudo bem fui chamada na diretoria, e a diretora do colégio assustada, perguntou se eu realmente não acreditava em deus, eu disse que não e então ela começou a falar que eu precisava achar uma religião, que não dava para viver sem uma e todo aquele discurso de cristão, deu pra parecer que eu poderia ser até de alguma ceita ruim, mas que eu tivesse alguma crença, achei um absurdo, mas como eu não queria muito papo no dia eu dei risada e fui para minha sala.

Depoimento de Igor P. A. Falcão

Olá.

Estudei a vida inteira num colégio católico, tinha aulas semanais de educação religiosa, com missas nas datas usuais, como Páscoa, pentecostes, dia do patrono, etc. Aos 10 anos fiz o curso para primeira eucaristia. Aos 14 anos fiz o curso de Crisma, por escolha própria, meus pais já não me obrigavam mais. No ano seguinte fui monitos do curso de Crisma. Mas minhas razões não eram religiosas. Eu não costumava sair muito de casa sem meus pais, salvo casa de alguns amigos muito chegados. O curso de crisma, e a monitoria do curso me abriram uma brecha. Entre a saída do colégio e o horário do curso havia um intervalo de 3 horas, no qual eu frequentava uma loja que fiz amizade com o dono. As vezes eu até ficava tomando conta da loja sozinho. Eu adorava.

Após o término do meu ensino médio não frequentei mais igrejas, até que entrei para um grupo jovem em uma. Mais uma vez meus motivos não eram religiosos. Prefiro não falar, mas podem ter certeza que não eram.

Falei tudo isso para mostrar que, uma educação religiosa não me tirou a capacidade de pensar e questionar. Desde criança eu tinha preferência pela área das exatas, não consigo pensar diferente do mais próximo possível do método científico. Nunca tive fé. Eu perguntava as coisas nas aulas e sempre que a resposta envolvia fé, dogmas, mistérios, eu me frustrava.

Depois de alguns anos de faculdade resolvi me denominar agnóstico. Eu dizia que acreditava em deus, mas não seguia nenhuma religião.
Mas no fundo eu sabia que eu estava mentindo. Eu não acreditava nada. Não havia nenhuma evidência comprovada. Só pregação religiosa.

E finalmente resolvi assumir o ateísmo. Coloquei em todas as minhas redes sociais e passei a discutir o assunto com qualquer um que estivesse interessado. Virei praticamente um militante da razão. Isso gerou algumas brigas com familiares e amigos, mas eu não ia mudar quem eu sou para evitar brigas.

Mesmo assim, nunca me tornei uma pessoa preconceituosa. Aceitei ser padrinho de duas crianças há pouco tempo. Meu amor por elas não vai mudar por causa de nenhuma crença.

Meu conselho é, não se esconda, ninguém tem que viver numa prisão. Saia do armário.
E você que não é ateu, não discrimine quem é, a pessoa só não acredita no seu deus, assim como você não acredita no deus dos outros.

“A mente que se abre a uma nova idéia jamais voltará ao seu tamanho original.”
– Albert Einstein

Essa frase é perfeita. Eu abri a minha mente. Eu li, pesquisei, pensei, refleti.

Faça isso você também. Tente!

Um abraço a todos, e obrigado por ter lido até aqui.

Eu já tentei acreditar na existência de uma força superior, mas infelizmente eu penso, e pensar atrapalha toda e qualquer fé. Tenho a capacidade de colher e buscar dados e informações em outras fontes, que não sejam livros com mais de mil anos de idade escrito por pessoas que acreditavam que a terra era chata e que mulheres devem ser submissas aos seus maridos. Tenho capacidade de processar informações e dividir o que é fato e o que é ficção sem provas concretas. Infelizmente religiosos não têm essa capacidade.

Aliás, religiosos de fato TÊM essa capacidade, mas estão com tanto medo de Deus fazê-los sofrer a eternidade em um mar de fogo, que isso bloqueia a mente humana. Mas, que estranho. Deus, o senhor que criou o universo, criou o homem e o ama incondicionalmente manda sua cria para a dor? Isso não é muito coerente para um ser benevolente. Um ser pelo qual vale à pena louvar. Se Deus realmente existe e faz isso com as pessoas, eu não quero nenhum tipo de ligação com Ele. Qual a diferença entre Deus e um chefe da máfia? Ou faz o que eles mandam, ou eles quebram suas pernas.

Deus construiu uma piscina, jogou pessoas que não sabem nadar dentro e disse: ‘Hey pessoal, eu tenho uma boia. Quem vai fazer o que eu quero? Quem vai me obedecer? Quem vai me amar?’

Mas não é somente o medo de ser castigado que promove a fé. Os fracos precisam de muletas para enfrentar dificuldades cotidianas. Rezam para ficarem ricos, rezam para ter saúde, e até para prejudicar terceiros. Acho que eles não perceberam que a única maneira de melhorar de vida através da religião é ser pastor da igreja universal.

Deus quer prevenir o mal, mas não consegue, então ele não é onipotente. Ele consegue, mas não quer? Então ele é malevolente. Ele quer e ele consegue? Então por que ele deixa o mal acontecer? Ele não quer e não consegue? Então por que chamá-lo de Deus?” (Epicuro) Alguma pessoa de fé pode me responder? Mas se me responder, não responda com frases velhas do tipo: ‘não tente entender os planos de Deus, isso está fora do alcance humano’. Responda com argumentos concretos, chega de ficções, chega de mentiras e doutrinas digeridas.

Eu respeito toda e qualquer religião, da mesma forma que exijo respeito. Embora o artigo 5º da Constituição Federativa do Brasil diz claramente que todos são iguais independente de religião (ou a falta dela), não é isso que está sendo empregado na prática. Políticos criam leis de acordo com o que a igreja diz ser o certo. Claro, a igreja tem muita influência perante a população, e um político contra a igreja nunca será eleito. Por isso nada é feito a favor dos homossexuais, do aborto. A igreja não pode decidir o que é melhor para a população. E a única forma de conseguirmos isso é lutando por um estado laico, ou seja, livre de influência religiosa.

O cristianismo foi base do meu texto, pois infecta a América como uma praga espiritual.

Enfim… se você está entediado e sem nada pra fazer, esses depoimentos podem lhe garantir uma boa diversão.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: